No silêncio das nuvens

No silêncio das nuvens

Sinopse

Ao contrário de muitos escritores cuja trajetória se inicia com a sua melhor obra, passando em seguida a imitadores de si mesmos, a carreira literária de Edla van Steen se caracteriza por um permanente processo de renovação e amadurecimento, não apenas no sentido de aprimoramento literário, mas também na visão do mundo. A cada obra, a autora catarinense consegue lançar a sua sonda a maiores profundidades da alma humana. Neste sentido, "No Silêncio das Nuvens" é obra exemplar. Nela, Edla reafirma, e como que sublinha, todas as suas qualidades de narradora e pesquisadora dos caminhos e descaminhos humanos, com a sua prosa vigorosa, o estilo preciso, o jogo permanente e desafiador entre o real e o insólito, o domínio teatral dos diálogos, recriando almas, mas tendo sempre como pano de fundo o quadro da sociedade contemporânea. "No Silêncio das Nuvens" reúne quatro contos e uma novela, unidos por uma visão desiludida da vida, por vezes amarga, como já indica a epígrafe do livro, de Carlos Drummond de Andrade: "As coisas. Que tristes são as coisas, consideradas sem ênfase". De fato, se há algo que a autora repudie é a ênfase. Antienfática por natureza, essa característica como que distingue todos os trabalhos do livro, de "Bodas de Ouro", uma reflexão pessimista sobre a velhice e a morte, até "No Silêncio das Nuvens", o encontro de velhos amigos, num clima sufocante de horrores, passando por "O Rei dos Malditos", que se desenrola durante o enterro do protagonista; "A Vingança", a história cheia de surpresas de um avarento e "Amor pelas Miniaturas ", onde o leitor passeia em pleno terreno do insólito, no qual cinco bonecas influenciam o destino dos protagonistas. Como resumiu o crítico norte-americano David S. George: "No Silêncio das Nuvens é um livro maduro, pela temática, mas ao mesmo tempo pelo estilo, com perdão a Bob Dylan, forever young".

Autor

Edla van Steen, catarinense, está radicada em São Paulo há mais de quarenta anos. É detentora de vários prêmios nas áreas de cinema, teatro (Molière de Melhor Autor) e literatura (Prêmio Nestlé, categoria Conto, e da Academia Brasileira de Letras, na categoria Romance). Casada com o acadêmico Sábato Magaldi, é a única autora brasileira a ter quatro livros publicados nos Estados Unidos, que mereceram excelentes críticas no Washington Post Book World, Kirkus Reviews e Publishers Weekly, entre outros. Pela Global Editora, publicou as seguintes obras: Até Sempre; Cheiro de Amor; Corações Mordidos; A Ira das Águas e No Silêncio das Nuvens, destinados ao público adulto. Para crianças, escreveu O Gato Barbudo e O Presente, e, para os jovens, Por Acaso e Manto de Nuvem. Desde o início da década de 1980, colabora com a Global criando e dirigindo coleções, como Melhores Contos, Melhores Poemas, Magias, Magias Infantil, Jovens Inteligentes e mais recentemente Melhores Crônicas.