O Menino de Engenho

O Menino de Engenho

00:00 / 00:00

Sinopse

Primeiro romance de de José Lins do Rego, Menino de engenho é narrativa cativante composta pelas aventuras e desventuras da meninice de Carlos. A trama revela a grandeza literária de seu autor, que compõe, com minúcia e de forma magistral, as alegrias, inquietações e angústias do menino diante de sensações e situações por ele vivenciadas pela primeira vez.
Publicado pela primeira vez em 1932, o livro comprova, sem sombra de dúvidas, o talento monumental de um escritor, cuja obra nortearia os rumos do moderno regionalismo brasileiro.
A edição ora publicada pela Global marca o ingresso do autor em sua nova casa editorial. O projeto gráfico de capa e a ilustração são de Mauricio Negro. O livro traz um texto de apresentação do Prof. João Cezar de Castro Rocha, professor titular de Literatura Comparada da UERJ, especialmente encomendado para esta edição.

Autor

José Lins do Rego
José Lins do Rego
Nasceu em Pilar, na Paraíba, no dia 3 de junho de 1901. Foi um dos romancistas regionalistas mais respeitados da literatura nacional, junto de Graciliano Ramos, Érico Veríssimo, Rachel de Queiroz e Jorge Amado. Seu romance de estreia, Menino de Engenho (1932), foi bastante elogiado pela crítica.
Sua amizade com Gilberto Freire teve grande influência em sua obra, através das ideias novas sobre a formação social brasileira. Foi amigo, também, dos escritores José Américo de Almeida, Osório Borba, Luís Delgado e Aníbal Fernandes. A obra do autor compreende um conjunto de cinco livros nomeados por ele como "Ciclo da cana-de-açúcar", em referência ao papel que a decadência do engenho açucareiro nordestino ocupa. Tendo antepassados que eram, em grande parte, senhores de engenho, José Lins do Rego teve desde cedo contato com a riqueza do engenho de açúcar e com o mundo rural do Nordeste, o que lhe deu a oportunidade de relatar suas experiências através das personagens de seus primeiros romances. Ativo nos meios intelectuais, colaborou também para a imprensa, escrevendo para os Diários Associados e O Globo.
É atribuída a José Lins do Rego a invenção de um novo romance moderno brasileiro. O conjunto de sua obra é um marco histórico na literatura regionalista por representar o declínio do Nordeste canavieiro. Foi o quarto ocupante da Cadeira 25 da Academia Brasileira de Letras, tendo sido eleito em 15 de setembro de 1955.José Lins do Rego faleceu no Rio de Janeiro, em 12 de setembro de 1957.

Narrador

Alexandre Mercki

Alexandre Mercki

Alexandre Mercki, é radialista e jornalista, com graduações na Fundação Armando Álvares Penteado-FAAP e na Universidade São Judas Tadeu, respectivamente.
Narrador, dublador, dramaturgo e ator formado pelo Indac - Escola de Atores, faz parte da Cia Argentobrasileira de Teatro. Atuou nas montagens “ em “O Inspetor Geral”, de Gogol (2012); “A Dama Negra dos Sonetos”, de Bernard Shaw (2013), “Coisas Frágeis”, criação coletiva (2013); “Lisístrata”, de Aristófanes (2014); “Prometeu Acorrentado”, de Ésquilo (2014); “Boca de Ouro”, de Nelson Rodrigues (2015); “Biblioteca de Alexandria”, criação coletiva (2015); e “Os Outros Papéis”, de Carlos Gorostiza (2019).


Priscila Scholz

Priscila Scholz

Iniciou sua carreira em 1997. Como atriz já participou de inúmeros espetáculos adultos e infantis, e diversas produções de audiovisual. Sócia na empresa SóRiso Produções Teatrais Ltda., onde produz, dirige e cria peças teatrais.
Componente do Coletivo Flama e da Cia. Ópera do Mendigo. Narradora de audiolivros no aplicativo Tocalivros.