Prelúdio e fuga do real

Prelúdio e fuga do real

Sinopse

Câmara Cascudo conhecia como poucos a essência e a alma do povo brasileiro. Tanto é verdade que dentre as mais de duzentas obras que deixou, explorou em detalhes a alimentação, o vestuário, a dança, a música, as lendas, a formação da etnia - defendia, inclusive, a existência de uma etnia brasileira. Recontou histórias reais e inventadas. Foi o historiador que buscava responder com precisão como é e quem é o povo brasileiro. Em Prelúdio e fuga do real, o autor lança-se num desafio instigante ao construir diálogos imaginários com figuras bíblicas e mitológicas. Nesta projeção de trocas de impressões sobre os dilemas humanos com personalidades como Maria Madalena, Caim, Montaigne, Erasmo, rei Midas, Dom Quixote, doutor Pangloss e outros, Câmara Cascudo revela suas aproximações e seus distanciamentos com a personalidade e o pensamento de muitos deles. E, ao estabelecer estas pontes em 35 capítulos, o autor aponta ao leitor um caminho precioso para conhecer e apreender sua rica visão do mundo. Professor Cascudo, como historiador que era, também pesquisou os caminhos trilhados pelo homem e nos deixou como legado as mais preciosas informações sobre a cultura brasileira.

Autor

Um dos mais respeitados pesquisadores do folclore e da etnografia no Brasil, Luís da Câmara Cascudo viveu quase toda sua vida no Rio Grande do Norte. Lia muito, recebia visitas, escrevia demais. Em suas viagens fazia amigos e ouvia histórias. Trocava muita correspondência. Por ser um homem muito querido, recebia – por escrito ou ao pé do ouvido – muitas informações sobre "causos" que embalaram o sono e assustaram gerações e gerações. Professor Cascudo, como historiador que era, também pesquisou os caminhos trilhados pelo homem e seu legado nos deixou as mais preciosas informações sobre a cultura brasileira. Em 1954, lançou a sua obra mais importante como folclorista, o Dicionário do Folclore Brasileiro, obra de referência no mundo inteiro. No campo da etnografia, publicou vários livros importantes como Rede de Dormir, em 1959, e História da Alimentação no Brasil, em 1967. Publicou depois, entre outros, Geografia dos Mitos Brasileiros, com o qual recebeu o prêmio João Ribeiro da Academia Brasileira de Letras. O pesquisador trabalhou até seus últimos anos e foi agraciado com dezenas de honrarias e prêmios. Morreu aos 87 anos.